Ozonioterapia
Lago Sul - Brasília - DF

Ozonioterapia no Brasil

Os benefícios da utilização do ozônio na odontologia vão desde o grande poder de assepsia até a influência que ele exerce sobre a resposta imune do paciente.

O que é Ozônio?

O ozônio é um composto químico de três átomos de oxigênio (O3), altamente energético do oxigênio atmosférico normal (O2). Assim, as moléculas destes dois compostos são diferentes na estrutura: Nas suas características normais, o Ozônio é um gás incolor com odor característico notável. Foi descoberto em 1840 pelo químico alemão Friedrich Christian Schönbein (1799-1868). Por ser um agente de oxidação extremamente poderoso e um desinfetante altamente eficaz, é também usado em todo o mundo para esterilizar as instalações de tratamento de água que fornecem a água para consumo humano. Um exemplo é a Estação de Tratamento de Água de Los Angeles – Califórnia, que utiliza tecnologia de purificação de água com auxílio do Ozônio, desinfetando mais de 600 milhões de litros de água por dia.

O que é Ozonioterapia (ou Ozonoterapia)?

É a aplicação do ozônio na prática medicinal em seus mais diversos estados, mas sempre através de uma mistura de ozônio com oxigênio puro. Um gerador de ozônio é um aparelho que produz descargas elétricas entre 13.000 e 15.000 volts nas moléculas de oxigênio, possibilitando que os átomos se agreguem, formando o gás ozônio. Essa técnica é realizada por um ozonioterapeuta, profissional treinado, que determina a dosagem completa e indicações apropriadas para cada paciente especificamente.

Ozonioterapia na Odontologia

Por causa das propriedades e efeitos, o ozônio é utilizado em baixa concentração na odontologia, girando a dosagem média em torno de 25 mcg/ml, o que equivale a uma proporção de 0,25 de ozônio para 99,75 partes de oxigênio. Estas concentrações são comprovadamente suficientes para matar bactérias, fungos, vírus, parasitas, etc. Diluído em água ou em óleo, ou ainda na forma de gás, ele pode ser pulverizado ou injetado. Os principais objetivos de sua utilização são o de matar microorganismos, melhorar a cicatrização e aumentar o aporte de oxigênio na região afetada para assim maximizar a atuação do sistema imunológico. O O3 pode ser usado na odontologia preventiva, nas cáries de fissura, nas cáries proximais em estágio inicial, nos tratamentos de canais, nos tratamentos de gengiva, em todos os atos cirúrgicos periodontais, extrações, implantes, etc. O Dr. Aurélio Belas (@aureliobelaslustosa) considera a Ozonioterapia uma das técnicas mais preciosas. Segundo o especialista, a modalidade de tratamento não apresenta efeitos colaterais, sua biocompatibilidade faz com que praticamente todas as pessoas possam usufruir dos seus benefícios e a eficiência da substância em tudo o que se propõe, tanto em ganhar tempo com tratamentos mais rápidos como a qualidade nos resultados. “Temos casos da redução do tempo de cicatrização em até 50% do tempo que leva um tratamento sem utilização de ozônio”. 9d4fc-cfo2 Regulamentação: Resolução do Conselho Federal de Odontologia – CFO nº 166, de 24/11/2015 Publicada no Diário Oficial da união do dia 08/12/2015

Ozônioterapia no CiR

O ozônio é utilizado na odontologia como uma solução antisséptica, graças à sua potente ação antimicrobiana e de alta biocompatilibilidade. A técnica revolucionária da ozonioterapia foi adotada pelo CiR para prevenir infecção e inflamação em pacientes que realizam procedimentos odontológicos. O CiR leva em consideração não apenas o poder antimicrobiano da substância, mas também a influência que esta exerce sobre a resposta imune do paciente, reduzindo assim o tempo de cicatrização de cirurgias. Hoje o CiR produz mais de 45 litros de Água Ozonizada por hora, água esta que é utilizada para a realização de todos os procedimentos odontológicos no Centro. O Dr. Aurélio Belas explica como a ozonioterapia ganhou o coração de cirurgiões e pacientes da odontologia: “Escolhemos utilizar água ozonizada por causa da sua atividade antimicrobiana e biocompatibilidade marcantes, que tornam o tratamento odontológico mais biológico, menos doloroso e absolutamente mais confiável”.

Ozônioterapia no Brasil e no Mundo

A ozonioterapia é reconhecida pelo Sistema de Saúde da Alemanha, Suíça, Áustria, Itália, Cuba, Ucrânia, Rússia, Grécia, Israel, Egito e Austrália, além de ser praticada em outros 13 países. Para se ter uma ideia, Cuba dispõe de 39 centros clínicos de ozonioterapia, enquanto na Rússia a prática está disponível em todos os hospitais públicos mantidos pelo governo. No Brasil a prática não é recente. Iniciou-se em 1975 e passou a ter mais adeptos durante a década de 1980, quando começou a atrair o interesse de algumas universidades. Embora os benefícios sejam incontestáveis, o tratamento com a ozonioterapia ainda está disponível em poucos hospitais e clínicas brasileiras, principalmente em alguns centros na Região Sudeste. Fundada em 2006, a Associação Brasileira de Ozonioterapia* (Aboz) foi criada a partir da necessidade de legalizar a prática de forma consciente e ética. Outra meta da Associação é informar e a capacitar, tendo como base as experiências realizadas no Brasil e no exterior.

Propriedades e Efeitos

Na finalidade medicinal: - Poderosas propriedades bactericidas; - Fungicidas; - Antivirais. - Estimulante das funções circulatórias - Ativação imunológica (inclusive em pacientes com baixa imunidade e imunodeficiências) - Inflamações crônicas Muito eficiente na desinfecção de feridas, o ozônio é também uma potente solução em doenças bacterianas e virais. Possui uma forte capacidade de estimular as funções circulatórias do corpo, que o leva a ser também um importante agente nos tratamentos de circulação e revitalização de funções orgânicas em geral. A administração do ozônio em baixas concentrações ajuda a ativar o sistema imunológico do organismo. Isso acontece porque após ativadas, as células imunas produzem as citocinas, mensageiros especiais que informam outras células imunes, o que provoca mudanças positivas no sistema imune, deixando-o mais resistente a muitas doenças.

O ozônio é indicado para:

Sem Título

É aplicado para a imunoativação geral, em dosagens baixas, na forma de “Auto- hemoterapia Maior” (ou Grande Auto-hemoterapia, GAHT) na qual o sangue é reinfundido por via endovenosa, ou de “Auto-hemoterapia Menor” (ou Pequena Auto-hemoterapia, PAHT), na qual o sangue ozonizado é injetado via intramuscular.

Sem Título

Tratamento de feridas infectadas, inflamadas, mal curadas e de processos inflamatórios crônicos, tais como úlceras nas pernas, colites e outras inflamações intestinais, além de queimaduras.

Sem Título

Tratamento de problemas circulatórios e também na área da geriatria.

Sem Título

Tratamento das doenças provocadas por vírus, tais como hepatites e herpes.

Formas de Aplicação do Ozônio na Medicina

Auto-hemoterapia Maior - GAHT

Auto-hemoterapia Maior - GAHT (tratamento externo do sangue do paciente, seguido de reinfusão por via endovenosa). Utilizada em geriatria, para revitalização em geral, no tratamento de problemas circulatórios, doenças provocadas por vírus e condições relacionadas à resposta imune. Este método consiste na retirada de uma pequena quantidade de sangue, enriquecida externamente com uma mistura gasosaoxigênio-ozônio. O ozônio reage com substâncias específicas que compõem as células vermelhas e brancas do sangue ativando o seu metabolismo.

Auto-hemoterapia Menor - PAHT

Auto-hemoterapia Menor - PAHT É uma aplicação, através da via intramuscular, de 5 a 10 ml de sangue ozonizado. Pode ser usada em doenças alérgicas, acne ou de maneira geral para melhorar a resistência inerente do organismo.

Insuflação retal

Este método é indicado para condições inflamatórias do intestino e está encontrando uso crescente para processos gerais de revitalização, em substituição à Grande Auto-hemoterapia, em pacientes com veias difíceis e crianças. Previamente ao ciclo de aplicações da insuflação retal (entre 10 a 20), é útil a realização de enemas de café, que promovem a limpeza da mucosa do reto, facilitando a absorção da mistura gasosa oxigênio-ozônio, desintoxicação de fígado e rins.

Insuflação vaginal

A insuflação vaginal de ozônio é uma forma de aplicação tópica da mistura gasosa, realizada por meio de uma sonda plástica. É um procedimento indolor, indicado em casos de infecções vaginais (corrimento), em especial as candidíases de repetição. A lavagem prévia com água bidestilada ozonizada potencializa o efeito da mistura gasosa oxigênio- ozônio.

Tratamento tópico

O tratamento tópico com ozônio (bolsa, bag, touca) requer um sistema fechado de circulação da mistura gasosa. Uma parte do corpo, por exemplo uma perna, é colocada dentro de um saco plástico transparente, feito de material ozônio-resistente, cujas bordas são vedadas junto à pele. Em seguida, o ar é retirado de dentro do saco plástico e a mistura oxigênio-ozônio é injetada. Após 10 a 20 minutos o ozônio é aspirado para fora do saco plástico. Este método é altamente eficaz para tratar úlceras, escaras, feridas abertas, lesões pós-operatórias, herpes, queda de cabelo, etc.

Água e azeite ozonizados

A água bidestilada ozonizada tem sido uma grande aliada da odontologia, principalmente no tratamento de canais dentários e de afecções da gengiva. O azeite ozonizado é usado no tratamento tópico de úlceras, feridas, escaras e dermatites - principalmente o azeite de oliva e o óleo de sementes de girassol. É segura a inalação de azeite ozonizado (não da mistura gasosa oxigênio-ozônio), pois sua composição exerce efeito anti-inflamatório e mucolítico e em processos infecciosos de vias aéreas superiores.

Injeção intra-articular de ozônio

Na injeção intra-articular de ozônio, este é injetado diretamente dentro do espaço articular da articulação afetada. Este procedimento requer treinamento especial do médico, e é utilizado em muitos consultórios de ortopedia. É indicado em artrites, artroses e rigidez articular. Com a injeção intra-discal, realizada por neurocirurgiões e ortopedistas treinados, é possível tratar um grande número de hérnias de disco, evitando cirurgias maiores.

Injeção subcutânea

A injeção subcutânea de ozônio pode ser utilizada com dois objetivos: analgesia (alívio de dores agudas e crônicas, hérnia de disco) e fins estéticos (celulite, gordura localizada, flacidez, escleroterapia de microvarizes, olheiras, rugas de expressão, queda de cabelo, manchas de pele, cicatrizes hipertróficas, quelóides, nódulos de gordura (lipomas), dermatites, para revitalização facial e no pós-operatório de cirurgias plásticas reparadoras ou estéticas.

Sauna com ozônio

A sauna com ozônio apresenta vários benefícios, principalmente como adjuvante na eliminação de toxinas.Também tem efeito relaxante muscular (aumenta a flexibilidade), melhora a circulação sanguínea, promove vasodilatação dos vasos de menor calibre (o que ajuda a aliviar dores e otimiza a cicatrização), auxilia na eliminação de infecções secundárias e acelera o metabolismo (perda de 200-450 calorias em sessão de 20 minutos).

Banho com ozônio

O banho com ozônio (hidrozonoterapia) promove drenagem linfática, absorção transcutânea de oxigênio, tem efeito relaxante (em geral e muscular) e faz prevenção de fibrose, infecção e pigmentação. Jatos de ozônio (387-600 jatos), com intensidade variável, em água morna, com duração entre 5 a 25 minutos. Está indicado em pré- e pós- operatório de cirurgia plástica, celulite, estagnação linfática e circulatória, queimaduras, revitalização, estresse, micoses e para preparo de atletas (antes e após competições).

ATENÇÃO

Inalar ozônio é absolutamente proibido e altamente perigoso. Esta é praticamente a única via de aplicação do ozônio que não pode ser utilizada de maneira nenhuma. A aplicação direta por via endovenosa da mistura gasosa oxigênio- ozônio também não é recomendada.

Em que doenças a Ozonioterapia é geralmente aplicada?

Problemas circulatórios

Entre outros sintomas, frio nos pés ou dores após andar somente distâncias curtas são sinais que podem ser corrigidos por meio da Ozonioterapia. Seu sucesso foi confirmado por um grande número experimentações clínicas. O ozônio é aplicado como um complemento e em combinação com outros métodos da Medicina clássica.

Regeneração e revitalização

As situações de estresse no trabalho ou as condições de tensão mental e física excessiva respondem particularmente bem à Ozonioterapia. Sua capacidade de ativar o metabolismo das células vermelhas e brancas do sangue produz uma melhora no bem-estar geral e uma revitalização de todo o organismo.

O uso do ozônio por atletas profissionais

Embora o ozônio não dê a seu usuário um nível de desempenho físico mais elevado, melhora a performance física durante a fase da resistência, isto é, apenas abaixo do grau de exercício máximo. Além disso, a fase da regeneração é encurtada de modo significativo em esportes de resistência.

O paciente idoso - prevenção e terapia

Os pacientes idosos respondem muito bem à Ozonioterapia porque é possível empregar todas suas vantagens clínicas, tais como melhoria do oxigênio disponível aos tecidos, mobilização do sistema imunológico, e ativação do próprio sistema de anti-oxidantes e de eliminadores de radicais livres. Além disso, temos sua influência positiva em problemas circulatórios cerebrais - uma situação caracterizada por uma redução geral no desempenho físico, pela insegurança no andar, e pelas vertigens.

Doenças oculares

A degeneração senil macular ocorre no centro da retina - o ponto onde o foco visual está mais nítido. As sequelas podem influenciar o nervo óptico em graus variados, produzindo o que é chamado atrofia do nervo óptico. Os resultados de uma experimentação clínica da universidade de Siena mostram, além dos relatórios das aplicações práticas, melhora da visão, que dura de 6 a 8 meses após a reinfusão do próprio sangue ozonizado (Grande Auto-hemoterapia). O tratamento pode gerar uma melhora no desempenho visual ou impedir que agrave.

Doenças malignas (câncer)

A grande auto-hemoterapia pode ser aplicada no tratamento adicional, biológico, complementar à terapia usual em doenças malignas. A aplicação ativa uma propriedade imunoativadora do ozônio, gerada quando é aplicado em doses baixas. As células imunes - linfócitos T helper e supressor, e as células natural killer são ativadas através das reações biológicas do ozônio para produzir uma classe de proteínas transmissoras chamadas citocinas, por exemplo, os interferons.

Lesões de pele e micoses

As propriedades fungicida e bactericida do ozônio foram usadas com sucesso durante 100 anos no tratamento da água potável. O ozônio medicinal é um agente terapêutico eficaz no combate a fungos persistentes, especialmente aqueles dos pés, infecções de fungos do tronco ou infecções fúngicas das mucosas.

Feridas infectadas

O tratamento local de feridas infectadas, tais como podem ocorrer facilmente com escaras, úlceras de perna e de pé, gangrena diabética ou processos demorados de cura de feridas, pertencem aos campos clássicos da aplicação do ozônio medicinal. Inicialmente se emprega seu poder desinfetante, isto é, bactericida e fungicida, para obter uma ferida limpa e livre de germes. Uma vez que isso foi conseguido, aplicamos então doses mais baixas da mistura gasosa oxigênio-ozônio para acelerar a cicatrização da ferida.

Doenças intestinais: proctites e colites

Nos processos inflamatórios intestinais, particularmente nas suas fases avançadas, a aplicação local do ozônio na forma de insuflação retal é muito útil. Uma série de 10 aplicações do ozônio é suficiente na maioria de casos, podendo chegar a 20 sessões nos casos mais graves. Séries repetidas são somente necessárias em aproximadamente 10% dos pacientes (de um estudo clínico com ozônio que envolveu 248 pacientes).

Doenças virais – Herpes simples, Herpes zoster

Ambos os tipos de herpes são causados por vírus. O herpes labial é uma condição que freqüentemente retorna, altamente desagradável, que pode ser tratado com muito sucesso pelo ozônio, eventualmente em combinação com outros métodos terapêuticos. No caso do herpes zoster, a aplicação complementar do ozônio é útil, na forma de compressas de água ozonizada, Grande Auto-hemoterapia e injeção subcutânea próxima à área afetada (para o efeito analgésico).

Processos Inflamatórios do fígado

As doenças Inflamatórias do fígado estão presentes entre as indicações clássicas do ozônio medicinal. O tratamento da hepatite viral tipo A é relativamente simples e produz cura completa. No caso de hepatite viral tipo B, crônica, a Grande Auto- hemoterapia com ozônio e/ou a insuflação retal de quantidades controladas da misturaoxigênio-ozônio pode ter bons resultados. O mesmo vale para o tratamento da hepatite viral tipo C que, devido a um período de incubação possível de vários anos, geralmente não é diagnosticada como uma doença do fígado até que se transforme em uma condição crônica.

Condições inflamatórias comuns e degenerativas

Quando dividimos doenças inflamatórias das articulações em três estágios, são particularmente os estágios 1 e 2, aqueles que não produziram uma deformação severa do osso e respondem à aplicação médica do ozônio. Isto se emprega a artrose do joelho ou a forma ativa de artrite em joelho e ombro. Aqui, as injeções intra-articulares do ozônio são aplicadas além dos métodos médicos clássicos. Nessas patologias, é possível observar o uso completo dos efeitos anti-inflamatórios do ozônio (modulação da inflamação), propriedades imunomoduladoras e a sua habilidade ativadora do metabolismo da cartilagem.

Condições de artrites e poliartrites crônicas

O termo “artrite reumática” inclui várias doenças dolorosas do aparelho locomotor, envolvendo em parte também limitações funcionais. No geral, a aplicação do ozônio medicinal pode aqui ser considerada como sendo uma medida complementar somente, combinado com algum método clássico básico, e fisioterapia correspondente. No exemplo da artrite reumatóide (poliartrite crônica), a Grande Auto-hemoterapia com ozônio é um método complementar muito útil quando dado durante as fases não-agudas. Suas propriedades imunomoduladoras e antiinflamatórias são seu princípio básico da ação.

O que devo saber como paciente?

Sem Título

Antes de mais nada, quando pensar em se submeter a um tratamento de Ozonioterapia, forneça ao seu médico o maior número de informações possíveis, como: medicamentos que faz uso, dietas, exames feitos recentemente, alergias, doenças hereditárias, tratamentos submetidos anteriormente. Alguns exames podem ser solicitados, a fim de dar algumas garantias ao profissional, para só então submeter o paciente à terapia.

Sem Título

A Ozonioterapia é um procedimento de baixo risco e aplicada geralmente como um método complementar, aditivo ou restaurativo, isto é, em associação a tratamentos médicos habituais.

Sem Título

A maioria das aplicações do ozônio são em série de até 12 sessões (exceto a insuflação retal, que geralmente é feita em ciclos de até 20 aplicações), e uma segunda ou terceira séries semelhantes podem ser necessárias em algumas indicações. Não obstante, você deve sempre recordar que uma pequena prevenção pode tornar desnecessário um tratamento em grande escala, muito mais caro, mais tarde.

Sem Título

No Brasil, ainda não há legislação específica regulamentando a prática da Ozonioterapia. Portanto, é necessário que o médico forneça ao paciente informações detalhadas sobre a Ozonioterapia e que o paciente assine um Termo de Consentimento Informado para Ozonioterapia antes do início das aplicações. No Brasil, a ABOZ – Associação Brasileira de Ozonioterapia, com sede em São Paulo, promove dois cursos teórico- práticos por ano. A lista dos profissionais, de todo o Brasil, que realizaram os cursos da ABOZ encontra-se à disposição para consulta telefônica.

Onde posso obter informações?

Dependendo do país, seu médico pode saber sobre o ozônio medicinal e suas indicações. Entretanto, a informação básica em todas as áreas ligadas ao uso medicinal do ozônio no Brasil pode ser obtida por meio da ABOZ – Associação Brasileira de Ozonioterapia, com sede em São Paulo – Tel: (11)3079-4243. Referências Bibliográficas: ABOZ – Associação Brasileira de Ozonioterapia

Onde posso obter informações?

Dependendo do país, seu médico pode saber sobre o ozônio medicinal e suas indicações. Entretanto, a informação básica em todas as áreas ligadas ao uso medicinal do ozônio no Brasil pode ser obtida por meio da ABOZ – Associação Brasileira de Ozonioterapia, com sede em São Paulo – Tel: (11)3079-4243. Referências Bibliográficas: ABOZ – Associação Brasileira de Ozonioterapia

Não foi possível encontrar o conteúdo

Não foi possível encontrar o conteúdo

Marque sua consulta

Preencha os campos abaixo e entraremos em contato em breve.